O blog da Nanda

um espaço eclético zen

A arte da vida é fazer da vida uma obra de arte

Posted by Nanda on October 27, 2006

Maria Fernanda com The Angel e Sunset at the High Sea

No seu sentido mais amplo a Rexus dos gregos, a Ars dos latinos e a Kunst dos alemães davam idéia de perícia, de habilidade adquirida em paciente exercício e voltada para um fim definido, fosse esse fim estético, ético ou utilitário.De acordo com o objetivo que tivessem, as artes se dividiam inicialmente em Belas-Artes, Artes de Conduta e Artes Liberais. As Belas-Artes buscavam o belo, as Artes de Conduta o bom e as Artes Liberais o útil. No sentido moderno mais restrito, o termo Arte abrange somente as atividades humanas que se voltam para o estético, isto é para as Belas-Artes. A Arte passa a ser a busca da “beleza”. Evidentemente o conceito de beleza varia de acordo com uma época e cultura determinada. As obras de Arte não envelhecem, mas é muito difícil definir o alcance, o poder de comunicação de uma obra, baseando-se única e exclusivamente na perícia e habilidade do artista.A Arte, pra mim, é uma forma de linguagem, uma necessidade premente de expressão, um desejo de comunicar uma idéia. Tanto faz o tipo, estilo ou época. Na maioria das vezes, o artista, através de sua obra, traduz o tempo em que vive. Filtra, através de sua sensibilidade, e registra de forma concreta, através do seu trabalho, tendências e emoções o que acontece no mundo ao seu redor, em maior ou menor escala, em uma determinada época. Quanto mais visionário for o artista, maior alcance terá a sua obra.Já no sentido figurativo, podemos falar de outros tipos de arte: a arte de se comunicar, a arte de vender, a arte de se organizar, a arte de cozinhar, a arte de se relacionar, a arte de se manter saudável, a arte de ser bem sucedido, enfim, a arte de viver com todas suas infinitas possibilidades.Talvez nenhuma dessas “artes” entrasse para a lista séria das Artes Estéticas : arquitetura, escultura, pintura e todas as suas subdivisões. Talvez também não entrassem para a lista das artes dinâmicas: a música, a poesia, o teatro. Mas creio que as Artes da Vida sejam tão importantes quanto as artes no sentido formal da palavra, porque elas são a prova que, no fundo, todo mundo é, de uma certa forma, artista. O que acontece é que na maioria das vezes as pessoas ou não percebem ou não valorizam isso.É fundamental que cada vez mais as pessoas apreciem a Arte, não somente para prestigiar os artistas, mas para o seu próprio prazer. Por outro lado, acredito que o apurar da sensibilidade deva começar no simples reconhecimento da habilidade e perícia que empregamos diariamente nas grandes, médias e pequenas coisas que fazemos.Uma vez li em um livro de citações uma frase de Ghandi que me chamou muito a  atenção:A Arte da Vida é Fazer da Vida uma Obra de Arte. Para se apreciar uma obra de arte, é preciso fazê-lo com o coração. O apreciador deve destituir-se de qualquer tipo de valor pré-concebido para poder apreciar uma obra de arte. Dessa forma, através dos sentimentos, do coração, da emoção é mais fácil se conectar com a idéia do artista, da essência.  Se por analogia aplicássemos  este conceito em nossas vidas, acredito que iríamos ver muitas coisas com  olhos diferentes. Passaríamos a ver a vida com os olhos do coração. Estaríamos cada dia mais próximos de nossas próprias essências. 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: