O blog da Nanda

um espaço eclético zen

Archive for the ‘arte’ Category

Relacionamentos: a dança sagrada

Posted by Nanda on November 2, 2006

Dance by Henry Matisse

Nos relacionamentos, tanto o mérito das conquistas como a responsabilidade das crises são divididos entre todas as partes. Sempre.

Nada acontece por acaso. Nunca.

Tudo, absolutamente tudo, tem um objetivo, seja esse objetivo explícito ou velado, consciente ou inconsciente.

Todas as pessoas que estão na nossa Vida, refletem um aspecto nosso, seja positivo ou negativo. São os nossos preciosos espelhos de auto-reflexão, como dizem os índios norte-americanos.

Henry Matisse, outro monstro sagrado, traduz isso de forma bem clara nessa obra espetacular que entitulou de : Dance. O genial pintor e escultor francês faz valer o ditado popular que uma imagem vale mais que mil palavras! Êta, Matisse, vai ser gênio assim nas estrelas, com certeza as mais brilhantes dessa ou quiçás de outras galáxias…!

Nessa obra, Matisse retrata os relacionamentos como se fossem uma dança. E, nessa analogia espelha a própria essência do Universo, onde tudo dança com tudo.

Visto isso, acho que o negócio, moçada, é entrar no ritmo e abraçar essa dança, consciente que cada passinho que a gente der vai influenciar tudo e todos mais.

Happy Thursday!!!!

com beijinhos da

nanda    

Advertisements

Posted in arte, monstros sagrados, pra pensar | 1 Comment »

Do beijo

Posted by Nanda on October 27, 2006

Ainda hoje se sente o peso do tabu que gira em torno da sexualidade. A associação do sexo com a culpa e com o “universo do proibido” é uma das campanhas subliminares de controle e monopólio de poder mais bem sucedidas de todos os tempos.As filosofias consideradas pagãs, sempre entenderam que a sexualidade é, na realidade, sublime e parte fundamental no desenvolvimento do ser humano. Sendo uma das mais importantes e complexas formas de expressão, a sexualidade bem resolvida é garantia de boa saúde.Vamos dizer que a sexualidade seja uma casa com muitos cômodos. O hall de entrada desse casarão é o beijo. O beijo é o termômetro da paixão. Variando de ardente e apaixonado a sereno e doce, o beijo é uma promessa do desejo.Contudo, um beijo só consegue tocar as almas quando nasce do amor. Torna-se, então, sublime, lúdico, eterno.Cantado em versos e prosa, o beijo é fonte de inspiração de poetas, artistas e sonhadores… Eles sabem que um beijo pode ser um sonho, pura arte e a própria poesia.   Há muito tempo que venho ensaiando preparar material, para uma exposição multimídia com pinturas, poesia e instalação sobre o beijo. Enquanto não consigo fazer isso, vou colocar no meu bloquito algumas coisas que já produzi e, outros “beijos” de famosos. Deliciem-se!!!  

kiss

Kiss II 

Chamo esse tipo de trabalho de Imagem Poética, por ser a combinação de um desenho com um poema. A parte gráfica foi feita com lápis, carvão macio e comprimido, mais colagem sobre papel jornal. O original mede 30” X 26”

Esse fiz em Miami, em 1997…Ulalá quase há dez anos…  

O poema é de moi e diz o seguinte: 

Besame suave, intensamente.

Besame hasta mi alma se sentir besada.

Besame y mi corazón se siente tibio.

Besame e me pierdo en fantasia.

Besame y me siento realizada.

Besame eternamente.

Besame hasta esencia ser.

Besame hasta que yo sienta ser esencia.

Posted in arte, beijos | 5 Comments »

E com vocês…The Angel!

Posted by Nanda on October 27, 2006

The Angel 

Considero este o trabalho de pintura mais importante da minha vida até agora, sob vários aspectos.Foi também o quadro mais difícil que já pintei. E, ao mesmo tempo o que mais me ensinou. Com o The Angel aprendi que no processo de criação a gente tem, muitas vezes, que parar, deixar o que já foi criado amadurecer e, voltar mais tarde, com os sentidos mais aguçados, refeitos.Sinto que toda obra ou trabalho de criação, enfim, tem personalidade própria. As obras pedem aos seu criadores, através da linguagem da arte, qual o caminho a ser seguido dentro do universo de criação. É a simbiose que existe entre a a obra e o criador.Resolvi pintar esse quadro num estúdio que um pintor cubano amigo meu, o George Alvarez, tinha em Coconut Grove. Observando o verdadeiro debate que eu tinha travado com o quadro, o George muito mais experiente que eu, me pegou pelo braço e disse:         É melhor você ir pra casa. Descansa, esquece o quadro por enquanto e, volta na semana que vem.E foi exatamente o que fiz. Quando retornei ao estúdio, o George, com um sorriso nos lábios, me falou:         Vem ver uma coisa.Dei distância, olhei pro quadro e, lá estava ele: The Angel: surpreendente, refrescante, doce.Dizem que os anjos não têm sexo, mas acho que esse do quadro é uma anja. Talvez por ter nascido das águas (na verdade duas quedas d’água!).

Pois é, The Angel já me deu muitas alegrias. Em novembro de 1998, The Angel ganhou o Prêmio Francisco Casas, na categoria de pintura abstrata, prêmio esse conferido pela Sociedade Cultural Santa Cecília, uma entidade cultural que atua dentro da F. I.U, em Miami. Foi a maior emoção!

Já recebi várias ofertas de compra. Mas, com esse rebento não faço negócio. The Angel é, pra mim, como se fosse um talismã.  E, isso não tem preço. Ele está em exposição permanente na minha casa no Rio de Janeiro, para alegria da Dona Laerze, minha zizi mommy. 

Posted in arte | 2 Comments »

A arte da vida é fazer da vida uma obra de arte

Posted by Nanda on October 27, 2006

Maria Fernanda com The Angel e Sunset at the High Sea

No seu sentido mais amplo a Rexus dos gregos, a Ars dos latinos e a Kunst dos alemães davam idéia de perícia, de habilidade adquirida em paciente exercício e voltada para um fim definido, fosse esse fim estético, ético ou utilitário.De acordo com o objetivo que tivessem, as artes se dividiam inicialmente em Belas-Artes, Artes de Conduta e Artes Liberais. As Belas-Artes buscavam o belo, as Artes de Conduta o bom e as Artes Liberais o útil. No sentido moderno mais restrito, o termo Arte abrange somente as atividades humanas que se voltam para o estético, isto é para as Belas-Artes. A Arte passa a ser a busca da “beleza”. Evidentemente o conceito de beleza varia de acordo com uma época e cultura determinada. As obras de Arte não envelhecem, mas é muito difícil definir o alcance, o poder de comunicação de uma obra, baseando-se única e exclusivamente na perícia e habilidade do artista.A Arte, pra mim, é uma forma de linguagem, uma necessidade premente de expressão, um desejo de comunicar uma idéia. Tanto faz o tipo, estilo ou época. Na maioria das vezes, o artista, através de sua obra, traduz o tempo em que vive. Filtra, através de sua sensibilidade, e registra de forma concreta, através do seu trabalho, tendências e emoções o que acontece no mundo ao seu redor, em maior ou menor escala, em uma determinada época. Quanto mais visionário for o artista, maior alcance terá a sua obra.Já no sentido figurativo, podemos falar de outros tipos de arte: a arte de se comunicar, a arte de vender, a arte de se organizar, a arte de cozinhar, a arte de se relacionar, a arte de se manter saudável, a arte de ser bem sucedido, enfim, a arte de viver com todas suas infinitas possibilidades.Talvez nenhuma dessas “artes” entrasse para a lista séria das Artes Estéticas : arquitetura, escultura, pintura e todas as suas subdivisões. Talvez também não entrassem para a lista das artes dinâmicas: a música, a poesia, o teatro. Mas creio que as Artes da Vida sejam tão importantes quanto as artes no sentido formal da palavra, porque elas são a prova que, no fundo, todo mundo é, de uma certa forma, artista. O que acontece é que na maioria das vezes as pessoas ou não percebem ou não valorizam isso.É fundamental que cada vez mais as pessoas apreciem a Arte, não somente para prestigiar os artistas, mas para o seu próprio prazer. Por outro lado, acredito que o apurar da sensibilidade deva começar no simples reconhecimento da habilidade e perícia que empregamos diariamente nas grandes, médias e pequenas coisas que fazemos.Uma vez li em um livro de citações uma frase de Ghandi que me chamou muito a  atenção:A Arte da Vida é Fazer da Vida uma Obra de Arte. Para se apreciar uma obra de arte, é preciso fazê-lo com o coração. O apreciador deve destituir-se de qualquer tipo de valor pré-concebido para poder apreciar uma obra de arte. Dessa forma, através dos sentimentos, do coração, da emoção é mais fácil se conectar com a idéia do artista, da essência.  Se por analogia aplicássemos  este conceito em nossas vidas, acredito que iríamos ver muitas coisas com  olhos diferentes. Passaríamos a ver a vida com os olhos do coração. Estaríamos cada dia mais próximos de nossas próprias essências. 

Posted in arte | Leave a Comment »

Arte na visão de um monstro sagrado

Posted by Nanda on October 24, 2006

Two Dancers on Stage by Edgar Degas

Vou inaugurar a categoria Monstros Sagrados com Jung e Degas. Pra mim os monstros sagrados conquistaram a maestria do ato de transgredir a ordem vigente, o que se sabia até então sobre determinado assunto. Eles vêem e vão muito além do óbvio, das aparências, das velhas opiniões formadas sobre tudo… Por isso são monstros…sagradíssimos.

Só como aperitivo, estou publicando aqui, nesse bloguito michuruca, a definição de Arte segundo Carl Jung. 

“O segredo da criação artística e do alcance da Arte é encontrado no retorno ao estado de participação mística num nível de experiência onde é o homem quem vive e, não o indivíduo. Nesse nível de experiência a boa ou má sorte daquele determinado ser humano não faz diferença. O que importa é a existência humana.” 

Carl Jung.   

Sem comentários…coisa pra Monstro Sagrado! 

O Degas merece um capítulo à parte. Me aguardem. 

Posted in arte, monstros sagrados | 2 Comments »

Ambientes que fazem a gente se sentir bem (inglês)

Posted by Nanda on September 21, 2006

Healthy Interiorsä

Creating Feel Good Spaces

Our physical surroundings are extensions of ourselves.  In more cases than you may realize, people can look at the interior of your home and know exactly what is going on in your life at that particular point in time. The way we arrange our places, the shapes and colors of our decorations, and the art work we display are unconscious depictions of our state of mind and overall mental and emotional disposition. The outer living space is a mirror of the inner workings of the mind.What has been a rather common habit of gathering things no longer needed is becoming an epidemic. More and more people find themselves imprisoned by cluttering which, according to experts, has deep psychological and emotional roots. There is an underlying Universal principle which explains that there is a life-force energy connecting all material and non-material existence. When this energy flow is blocked, we are not aligned with life’s fullest potential.In this process, I specialize in identifying areas in the client’s space which are particularly visually and energetically “stressed”. I correct this stress by moving things around and/or establishing (with the client) a better use of the items within the space – or perhaps even recycling whatever doesn’t belong in the space. In addition, I do a full review of the area’s design and layout, providing color correction and/or enhancement if needed. The job begins with the de-cluttering process, which is highly beneficial not only in terms of freeing up space and organizing the environment, but also in shifting into higher states of consciousness and functioning. When we begin to address the cluttering, we free up energy vital for living in the “now.”Cluttering is a very serious issue and people can get addicted to it. According to Mike Nelson, author of “Stop Clutter from Stealing Your Life,” cluttering is often a manifestation of issues like ADD (Attention Deficit Disorder), OCD (Obsessive- Compulsive Disorder), anxiety or depressive tendencies we have. As Margaret Paul, Ph.D. explains, “Clutter is created and maintained by a wounded, frightened part of oneself, the wounded self and the part that operates from the illusion of having control over people, events, and outcomes.” She says, “as long as this wounded self is in charge of the decisions, the clutterer will continue to accumulate clutter as a way to provide comfort and the illusion of control over feeling safe, or continue to be messy as a way to resist being controlled.” Paul adds, “Only a loving adult who is tuned in to the guidance provided by a spiritual source and capable of taking loving action in one’s own behalf can create a sense of inner safety.”My service begins with an on-site (residential or commercial) initial consultation whereby we gather the logistical/tactical information and energetic perceptions imprinted on the environment. Based on those observations, I present probable solutions for the adverse conditions that might have been found. I devise a plan which weaves my knowledge of the effects of colors on physical, mental and emotional health, visual imagery and cross-cultural healing elements into a pleasant interior composition. My goal is to induce inner-peace for you… and to create a more harmonious atmosphere and ultimately promote health and well being.I am proud to be a student of Feng Shui for over ten years, and as I continue my studies, I find myself increasing every day my respect for it. This ancient art and technique is profoundly complex, and needs to be taken seriously with true respect and real knowledge. During one of the Traditional Chinese School of Feng Shui courses I have attended at The Taoist Society of Rio de Janeiro, my teacher said – at the very first moment of the course – that in order to be considered a Feng Shui specialist, one needs to study for at least twenty years. So, I use some of the knowledge I have acquired with Feng Shui studies, as well as some other earthy healing techniques.  However:What I use the most is my intuitive knowledge of the predominant energy in the environment in which I am called to work.The beneficial effects of art and beauty in our immediate environment have already been proven. The more pleasant our space, the more relaxed we are. Good music, plants, and scents are excellent tools to harmonize our living spaces. To light a scented candle actually happens to be very healthy for the house. The bottom line is that our state of mind is going to determine the mood of our places, if we truly believe in the principle that states that our environment is an extension of ourselves.As a fine artist and interior designer, a graduate of the Clube dos Decoradores do Rio de Janeiro in
Brazil, I offer several complementary services, including:
faux and specialty finishescomplete make-overspecial events decoration

I have been researching and beginning to utilize low or nontoxic substances, whenever possible, as healthier alternative materials. There are many people allergic to regular paintings who can really benefit from eco-friendly choices. I am very happy to be able to offer that as well in the scope of my work.

by Maria-Fernanda Silva

Posted in arte | 1 Comment »

Aí gente, virei blogueira!!!

Posted by Nanda on September 20, 2006

Apesar de todos os efeitos colaterais dessa modernidade galopante, temos que tirar o chapéu para os aspectos geniais da tecnologia. Por exemplo, a Internet e tudo que nasceu dela. O blog é um dos derivados da Net e, diga-se de passagem muito, mas muito interessante. É uma janela pro mundo, pra esse mundão de meu Deus.

Numa época em que somos açoitados por uma implacável falta de tempo, um estresse descomunal com infinitas subdivisões…estresse do trânsito, estresse do trabalho, estresse financeiro, estresse das políticas vigentes, estresse da violência, estresse dos relacionamentos…e, por aí vai…sente-se de forma cada vez mais pronunciada a necessidade de desabafar, botar pra fora o que se sente, o que se pensa. De alguma forma. Da maneira que se pode.

Uma válvula de escape tornou-se vital. Questão de sobrevivência mesmo. Para alguns, o simples contato com a Natureza já é um lenitivo para as aflições. Para outros, os esportes resolvem. Já há aqueles que precisam se expressar. As combinações de vias de desabafo podem agradar a gregos e troianos. Caminhar na praia cantando, por exemplo.

O contato com a Natureza sempre me fez muito bem. Gosto muito de nadar também. Eu me dou muito bem com água. E, pintar, pra mim, é a melhor das meditações. Sinto um prazer imenso em brincar com as cores, sentir os materiais e, transfomar objetos e ambientes desatualizados. Isso pra mim é melhor que um parque de diversões.   

Mas, quando escrevo, sinto um alívio imediato. Escrever é uma forma gostosa de desafogar as minhas impressões do mundo, as minhas experiências, as minhas emoções. E, dessa forma, me renovo.

Esse blog foi sugestão de um amigo querido, o Julinho Mazzei. Ele olhou sério pra mim um dia e disse:

-Você precisa de um blog! Tem tudo a ver com você.

E, aqui estou eu, engatinhando nessa experência que promete ser muito legal. Viva o blog! O feed-back dos amigos e de outros blogueiros é importante. A outra necessidade do momento é a troca de idéias, a troca de experiências, o imput das pessoas. Aí sim, fecha-se o círculo, a experência vinga e, atinge-se o objetivo.   

Obrigada, Mazzei! Sejam todos muito bem-vindos! Mi blog su blog! Hehehehehehehehehehehehehehehehehehehehehehehehehehe (risos)

Beijos da

nanda    

Posted in arte, coisas da vida | 1 Comment »